segunda-feira, 21 de junho de 2010

Datas Importantes 2


Do Segundo ao Quarto Século d.C.

1. 203 d.C. Surgiu Origenes que mudou a maneira de interpretar a Bíblia.
2. 249 d.C. O Imperador Décio veio ao trono romano e exigiu que todos, sem exceção, abraçasse a religião pagã ou morresse. Muitos falsos crentes deixaram as igrejas. Quando voltaram depois da perseguição e quiseram ser membros, houve divisão no meio dos cristãos se deveriam recebe-los de volta ou não.
3. 251 - 256 d.C. A origem dos novacianos. Separaram-se das igrejas que depois foram reconhecidas pelo governo.
4. 312 d.C. A separação dos irmãos no norte da África da igrejas que depois vieram a ser a Igreja Católica Romana. Estes irmãos receberam o nome de um líder chamado Donato, um pastor de destaque na época. Eram iguais aos novacianos e duraram muitos séculos.
5. 312 d.C. O Édito de Milão, reconhecendo o cristianismo como religião.
6. Durante este tempo, três doutrinas falsas desenvolveram-se.
A. Formação de hierarquia.
1. Alguns bispos (pastores) começaram a mandar além da sua própria igreja. Foram chamados bispos paroquiais, bispos que governaram várias igrejas, e bispos metropolitanos que governaram outros pastores.
2. O governo das igrejas foi estruturado como o do Estado.
B. Regeneração batismal. C. Batismo infantil.
7. Havia vários grupos de Igrejas primitivas e verdadeiras:
A. Montanistas, do século II ao século VIII.
B. Novacianos, do século III ao século VIII.
C. Cristãos ingleses, desde o século I até o Sínodo de Whitby em 664 d.C. Nesta data passaram a ser católicos.
D Cristãos na Ásia Menor das montanhas "Taurus" no sul e leste do Mar Negro, até o século .

Do Quarto ao Quinto século
1. 314 até 336 d.C. Silvestre I, bispo (pastor) em Roma, e o imperador Constantino estabeleceram o cristianismo como uma religião oficial do Império Romano.
2. 325 d.C. Constantino presidiu o Concilio de Niceía que definiu o Credo com o mesmo nome.
3. 330 d.C. A capital do Império foi movida para Constantinopla, (Bizâncio), ou Istambul de hoje.
4. 337 d.C. Constantino foi batizado no leito da morte. Prova que não era cristão verdadeiro porque pensou que estava lavando todos os pecados da sua vida de uma só vez antes da morte. Ele creu na regeneração batismal.
5. 476 d.C. A queda de Roma e o Império Ocidental.
6. Os erros desta época:
A. As heresias já desenvolvidas foram transformadas em doutrina oficial da Igreja unida com o governo Romano, com o imperador como Pontifex Maximus ou grande sumo sacerdote do cristianismo. Constantino precisava do apoio político dos cristãos. Eles, por sua parte, queriam prestígio, poder e dinheiro.
B. Com o desenvolvimento eclesiástico da hierarquia dos pastores, o bispo de Roma foi chamado o Pai da Igreja, isto é, o Papa, ou Bispo Universal.
1. A capital política em Constantinopla; a capital religiosa em Roma.
C. Desenvolvimento da adoração de imagens e relíquias.
D. Regime sacerdotal estabelecido. Salvação pela intercessão dos homens.

7. As igrejas verdadeiras neste tempo:
A. Grã-Bretanha era o baluarte de cristianismo verdadeiro durante seis séculos, começando no tempo do apóstolo Paulo. No ano 597 d.C., chegou um monge católico, Austin (Agostinho), pelas ordens do "Papa" Gregório I para converter os anglicanos, mas achou um cristianismo já funcionando muito bem.
1. Um pregador por nome de Patrick (Patrício) fez um bom trabalho no meio destas igrejas já existentes desde o tempo de Paulo! Este pregador não era católico porque a igreja católica não tinha chegada lá ainda!
2. Patrick (Patrício) foi seqüestrado por piratas quando era jovem e foi vendido como escravo na Irlanda donde escapou após seis anos de captura. Depois voltou como missionário. Batizou (por imersão) 2.000 adeptos, estabeleceu 365 igrejas, ajudou-as todas escolher seu pastor, e praticava a ceia do Senhor como batistas hoje.
3. Os padres católicos chegaram 136 anos depois da morte de Patrício! Muitos ingleses resistiram o catolicismo mas finalmente foram forçados a recebê-lo pelo Sínodo de Whitby no ano 664.
(Veja W. A. Jarrell, Baptist Church Perpetuity, pp. 472-479; W. J. Burgess, Baptist Faith and Martyrs’ Fire, pp. 358-365).

4. "Os britânicos preservaram a fé que tinham recebido incorrupta e inteira, em paz e tranqüilidade até o tempo do Imperador Dioclécio."
Veja Venerable Bede’s Ecclesiastical History, Book 1, Chapter 4, p.42).

B. Os montanistas e novacianos, que duraram até o século VIII em Ásia Menor, África, e Europa. C. Os donatistas, especialmente no norte da África, existiram desde o começo do cristianismo mas foram dados este apelido por causa do seu líder Donato, no ano 311 d.C.Duraram até o século VII d.C.
1. Foram os primeiros a sofrer pelo "princípio constantino," isto é, pela união do estado com a religião "cristã."
2. 411-415 d.C. O clímax da divisão veio com o debate entre eles e os bispos Agostinho e Aureliano que tentaram forçar todos os cristãos unirem-se debaixo da proteção do estado. O magistrado decidiu, naturalmente, que Agostinho tinha razão. No fim, o Imperador declarou que todos os donatistas não tinham direito nenhum como cidadãos e proibiu todos assistirem seus cultos.
Kurtz, Church History, I, pp. 395-396; Leonard Verduin, The Reformers and Their Stepchildren, pp 65-66).
3. Donato declarou aos comissários, "Quid est imperatori cum ecclesia?" ("O que tem o Imperador com a igreja?")
4. Os donatists e os anabatistas que vieram depois eram iguais em sua doutrina e prática.

[Fonte: Solla Scriptura]
Continua...

2 comentários:

  1. Belo blog, que o Senhor continue a destribuir bençãos em tua vida.

    Paz e Graça

    http://vidasimpactando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por ter comentado no nosso blog. Que Deus continue lhe abenõando também. Texto Bíblico para você: I Cor 13.13.

    ResponderExcluir