segunda-feira, 18 de abril de 2016

Escola Batista - Iniciantes



A Vida Cristã I

A Regeneração – Ao participarmos pela fé da Obra de Cristo, o Espírito de Deus que é o de Cristo sopra em nós uma recriação. Somos novamente gerados, que significa que somos uma Nova Geração, a Geração Eleita, pois somente os agraciados com a Justiça de Cristo são enumerados para viver na Nova Jerusalém. Somos uma Nova Criação que libertos da condenação do pecado habitaremos na regeneração final. Deus não reforma a geração perversa, mas cria uma nova. O mesmo Jeovah fará, um Novo Céu e uma Nova Terra.

A Renovação – Somente Deus sendo Espírito pode gerar espírito novo. O homem pode gerar ou conceder novo espírito a ninguém. O primeiro Adão foi feito alma vivente, Cristo tornara-se “espírito vivificante”, isto significa que somente Cristo tem esse poder de dar uma vida nova aos redimidos no seu sangue. Somente Cristo vivifica nosso espírito, antes mortos ao pecado. Somos renovados através do Novo Nascimento; nascemos no mundo físico por atitudes de nossos pais, mas para nascermos para Deus preciso é nascer de novo, isto é, nascer do Espírito. O Novo nascimento nos faz participantes da Natureza Divina. Após o NN fazemos parte da Nova Geração, uma Nação Sagrada. Somos espírito por habitação do Espírito Santo. Quem não tem o Espírito de Cristo este tal não é d`Ele. Os que não nasceram ainda, são naturais terrenos. Quem é carne, é carne; quem é espírito é espírito.

A Comunhão – No grego “koinonia” termo que reflete nossa participação. A participação da obra propiciatória de Cristo pelos salvos redimidos por seu sangue puro. Todos os benefícios de sua obra meritória que alcançou na Cruz de modo substitutivo aos redimidos vem à vida do cristão. Desde a fé salvífica até a glorificação a jornada da vida cristã vem pela graça do Filho de Deus. O cristão pode viver a vida cristã pelos atos redentivos congruentes ao batismo. A vida crucificada, para Cristo viver e não mais o “ego”. Sabemos que o “ego” está imprestável para viver a vida Cristã, por isso deve ser crucificado e ser sepultado na morte de Cristo. Somente uma união verdadeira pela fé em Cristo que o poder de sua cruz e sepulcro favorece o crente com o poder de viver a vida cristã, caso contrário, é impossível. O cristão, portanto, identifica-se com Cristo, sua Cruz, seu sepulcro e sua ressurreição na Esperança da Glória.

A Jornada Batista – Cristo nos ensinou a ser bem-aventurados no Caminho da Justiça (vf Mat 5.3-12). No entanto saibamos com prevenção que vem a perseguição na caminhada. O Ap Paulo também lembrou que a confissão de seguir a Cristo traz perseguição.Na verdade, que pretende percorrer o Caminho, se deparará com a perseguição que é sinal de salvação e de perdição aos algozes. Essa perseguição é felicidade para os peregrinos. Baseado em Mateus 5, a carreira é para os humildes, mansos, chorões miseráveis, pacificadores, puros de coração e misericordiosos. Gente que tem sede da Justiça, que foi perdoada e, que agora terá que perdoar. Amar os inimigos, orar pelos que lhes perseguem; ser liberal em dar; não está preso ao materialismo que lhe é transitório e irrisório.

Não-Conformados – Ser cristão, vem uma diferença, uma distinção. De um lado os afetados e conformados com este mundo. Do nosso lado, nos libertamos das coisas daqui de baixo e buscamos as que são aqui de cima. O cristão não pode mas se conformar porque sua mente foi renovada. Apresenta-se tipo separado, na liberdade cristã. Antes vivíamos alienados da vida de Deus. Agora atenção à dissolução.

A Temperança – o cristão adequado a vontade de Deus deve buscar as coisas humildes e deve manter uma mente e atitude de autogoverno. Neste presente século, há uma apelação em todas as áreas para o descontrole, para a rejeição do que é suficiente no vestir, no alimentar-se, nas posses e no falar; etc. Unida com a palavra Temperança temos a Moderação, um ponto de equilíbrio, não conformado, mas governado, dominado na boa consciência, na modéstia e honestidade. Nossa moderação deve ser conhecida por todos. Devemos ter paz com todos os homens, no que depender de nós! A modéstia segue a Temperança. A temperança nos ajuda a pensar e agir com moderação e bom senso. Também no controle da língua, pois pecamos muito com a língua.

A Vocação – Deus pelos profetas na antiguidade e pelo último profeta João o Batista chamavam o povo ao arrependimento. Hoje Ele falou pelo seu próprio Filho. E mais do que uma chamada ao arrependimento, a Vocação de viver uma Carreira da Fé, para uma viva esperança. Deus nos chama a honrar seu Filho. Seguir a Cristo como Senhor; fazer real os sinais de sua morte e ressurreição. Pelo batismo imitamos a Cristo seguindo o Caminho da Justiça, sendo Ele mesmo o Cristo, o próprio Caminho da Justiça. Ao nos batizar nos implicamos a participar da sua cruz, da sua sepultura(morte) e de sua ressurreição para andarmos em novidade de vida. Claro que essa morte é para vivermos a vida ressurrecta. Só vivemos a vida ressurrecta de Cristo se nos unirmos na vida crucificada e Cristo ressurrecto viverá em nós. E viver nessa vida nova para santificação e na Esperança da glória. Somos, pois Chamados a viver em Cristo, por Cristo e para Cristo. Vivermos em comunhão de seu Espírito para reproduzirmos a vida ressurrecta. Quem participa d`Ele participa da Glória.

A Santificação – ao nascermos de novo, recebemos um espírito novo pelo qual clamamos Abba, que quer dizer “pai amado”. Esse espírito novo enfrenta uma alma velha de natureza diferente nesse corpo corrompido, mas crescendo no Caminho, no poder do Espírito Santo, no prazer em meditar e obedecer a Palavra; crescer na Graça e no Conhecimento de Cristo, áreas totais da vida, o corpo-alma-espírito devem ser mantidos castos e prosseguir em santidade. Na santificação temos uma aliada, a paz com todos. A leitura e a meditação bíblica também nos ajudam. O ressentimento, a lascívia e associação com incrédulos e com suas incredulidades.

A Esperança – nossa Vocação dada por Deus é afim de alcançarmos a Glória da Imortalidade. Nós aguardamos o 2º. Advento de Nosso Senhor que virá e junto com Ele, a manifestação da nossa vida ressurrecta com o corpo transformado incorruptível e imortal. O mesmo que Cristo ressuscitou. Porém, cabe aqui frisar que a Esperança são para os que participam ou se identificam com Cristo, pois se participamos de sua morte, participamos de sua vida ressurrecta e da Glória. Só se identificam os salvos eleitos, os que receberam o Selo ou o Penhor do Espírito. O Selo do Espírito recebemos no dia que cremos e fomos iluminado com a Pregação do Evangelho. Este selo é como penhor, isto é, a garantia de Deus que seremos ressuscitados, transformados e levados para Glória da Imortalidade e Vida na Eternidade com Deus. Mas nossa esperança é viva porque já participamos da ressurreição no Espírito, o poder da 2ª.Morte já não exerce efeito algum sobre nós, pois já passamos da morte para vida o que é importante. Se passamos pela morte física, não nos é morte, porque ao abrirmos nossos olhos estamos com o Senhor no Trono.

Lins, CDF - Pr Batista. 2016
Missão Batista do Caminho no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário